quarta-feira, 13 de julho de 2022

Sindicato garante pleno funcionamento de porta giratória em agência da Caixa em Petrópolis



Diretores do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região foram, nesta quarta-feira (13/07), até a agência 0188 da Caixa Econômica Federal, em Petrópolis, para garantir que a agência não abriria sem o funcionamento correto da porta giratória. 

Anteriormente, ao receber a denúncia de que o equipamento não estava funcionando, o Sindicato oficiou a gerência da unidade alertando que a agência não funcionaria sem a porta de segurança.

"O pleno funcionamento da porta giratória é obrigação por lei. E temos que sempre que exigir que ela esteja em perfeito estado para garantir a segurança dos vigilantes, dos bancários, dos clientes e do próprio numerário do banco", afirma Adriano Linhares, presidente do Sindicato.

Após a intervenção do Sindicato, o gerente da unidade se comprometeu que caso o equipamento apresente novamente problemas o Sindicato seria acionado. 

"Não podemos admitir a abertura de uma agência sem o cumprimento de todo plano de segurança aprovada para a unidade na Polícia Federal. É uma questão de vida, segurança das pessoas e até de segurança pública. Não podemos colocar nossos colegas e os demais trabalhadores em risco", completa Linhares.

O sindicato continuará averiguando nos próximos dias o funcionamento da porta giratória da agência 0188 da Caixa. Outras unidades que apresentarem esse ou outro tipo de problema na segurança devem acionar os dirigentes sindicais.



sexta-feira, 20 de maio de 2022

Sindicato discute com a TurisPetro fim da contratação de segurança privada clandestina para eventos

 


Com a volta dos grandes eventos em Petrópolis, a diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região procurou a Secretaria de Turismo da cidade para discutir a contratação de segurança privada nestas festividades.

Nesta quinta-feira (19/05), a secretária da TurisPetro, Silva Guedon, recebeu o presidente do Sindicato, Adriano Linhares, acompanhado do diretor Luis Marcos. Em pauta, uma mudança de postura da prefeitura na contratação de segurança privada para eventos da cidade.

O que vem ocorrendo é a contratação de empresas de segurança clandestinas que não estão registradas na Polícia Federal e nem possuem profissionais habilitados para realizar o trabalho de segurança.

“A segurança clandestina é ruim para os frequentadores. Há alguns dias recebemos muitas reclamações no sindicato de ações destemperadas de seguranças. No mês passado mesmo, em um evento de ciclismo com rock que aconteceu na cidade tivemos relatos de que os seguranças agrediram frequentadores”, relata Adriano Linhares.

A contratação de segurança clandestina expõe quem frequenta os eventos e coloca em risco a segurança de quem realiza. “Contratar uma empresa que esteja habilitada junto à Polícia Federal, com seus vigilantes com todas suas documentações em dia, é investir em segurança privada com responsabilidade. Nós, vigilantes, recebemos treinamento para agir com multidões e com grandes eventos, diferente dos clandestinos”, reforça Linhares.

A reunião foi mediada pelo vereador Yuri Moura que tem ajudado o Sindicato nas discussões sobre esses casos na cidade. A secretária Guedon entendeu a gravidade da situação e se comprometeu em rever os protocolos de contratação de segurança privada para os eventos de Petrópolis.

Participaram ainda do encontro o advogado responsável pelo jurídico da TurisPetro, Dr Sander, e o assessor da secretaria, Sr. Roberto.

sábado, 30 de abril de 2022

Dia do Trabalhador - 1º de Maio de muitas homenagens, mas também de reflexão e luta

Muitos ainda perguntam se é Dia do Trabalho ou Dia do Trabalhador. Entretanto, a afirmação é correta pelo Dia do Trabalhador que nasceu na luta pela jornada de oito horas, marcada em 1886 por uma greve geral nos Estados Unidos, onde o trabalho chegava a 17 horas por dia.

No 1º de Maio, a classe trabalhadora se mobiliza para exigir seus direitos em todo o mundo.

No Brasil, o movimento dos trabalhadores ganhou impulso no começo do século passado, com os imigrantes europeus, em especial italianos e espanhóis, que vieram trabalhar nas fábricas. Em 1917, com esse novo perfil da força de trabalho, aconteceu a primeira grande greve no país. Pressionado pelo operariado em franco crescimento, que cobrava garantias trabalhistas, em 1925, o então presidente Arthur Bernardes decretou feriado no Dia do Trabalhador.

Getúlio Vargas transformou a data em uma festa que celebrava o Estado Novo como protetor dos trabalhadores. Para suavizar a pressão social que continuava a crescer, Getúlio investiu numa política paternalista, que controlou os sindicatos, mas também trouxe garantias. Ele instituiu o salário mínimo em 1940, mas sua medida mais importante foi a Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT, em 1943.

Era a primeira vez que o trabalhador, de fato, conquistava proteção, com a legalização do turno de oito horas, férias, previdência e direitos específicos para a mulher e pessoas com monos de 18 anos, entre outros.

As conquistas duraram até 1964, quando a ditadura militar passou a massacrar os movimentos populares. Centenas de sindicatos sofreram intervenção e milhares de seus líderes foram cassados e presos.

E você ainda acha que todas as conquistas de salários, vales alimentação, colete a prova de bala, Adicional de Periculosidade e outras conquistas foram gentilmente dadas pelos patrões? ENGANA-SE quem pensa assim.

Todas essas conquistas são frutos de lutas históricas do movimento sindical, do seu Sindicato.

Este 1º de Maio é simbólico, no pós pandemia continuamos a conviver alto desemprego, inflação alta e demissões que não cessam. Mas é também o momento de mobilização, de gritar e exigir a manutenção dos direitos.

Somos vencedores e resilientes, mas devemos ter a ciência do nosso papel e lado, o lado da classe trabalhadora que sustenta o país com o seu suor.

O projeto do atual governo brasileiro é destruir os sindicatos. Por isso, o desafio deste Primeiro de Maio é mostrar que somos fortes.

O mundo produtivo está diferente, cada vez mais mecanizado e digital. O que não muda é que eles continuam a tirar dos trabalhadores para concentrar a riqueza nas mãos dos mais ricos. Por isso, mobilização e unidade tornaram-se palavra de ordem, para a classe trabalhadora reconquistar o protagonismo político e reconduzir o Brasil para o futuro que a gente quer.

Não espere perder seus direitos para acordar. Siga as orientações do Sindicato e participe sempre das mobilizações.

Feliz Dia do Trabalhador! 

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Vítimas das chuvas em Petrópolis recebem doação do movimento sindical


Uma ação do bem que contou com a participação de diversos sindicatos de vigilantes de todo o país arrecadou diversas doações que foram destinadas às vítimas das chuvas que castigaram Petrópolis nos meses de fevereiro e março. A ação foi comandada pela Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e o Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região.

Foram arrecadados valores em dinheiro, que foram empenhados na compra de móveis, eletrodomésticos e alimentos. 

Outras 40 cestas básicas foram doadas em parceria com o Benefício Social Familiar. Foram cerca de 10 vigilantes atendidos com doações. Eles receberam móveis como camas, mesas, colchão, televisão, ferro de passar, jogos de panelas, dentre outros.

“A gente agradece muito os sindicatos que ajudaram, sobretudo os companheiros dos sindicatos do município do Rio de Janeiro, Roberto Bruno, e do SVNIT, Paulo Henrique. Em um dos momentos mais difíceis da minha cidade, os amigos do movimento sindical se uniram e mostraram que, juntos, podemos muito mais”, agradeceu o presidente do sindicato petropolitano, Adriano Linhares.

Participaram da campanha o Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio de Janeiro, Sindicato dos Vigilantes de Niterói (SVNIT), Sindicato dos Vigilantes do Distrito Federal (SINDESV-DF), Sindicato dos Empregados de Empresas de Segurança e Vigilância, Trabalhadores em Transporte de Valores, Segurança e Vigilância do Estado de Pernambuco (SINDESVPE), Sindicato dos Empregados nas Empresas de Segurança e Vigilância em Geral da Região Metropolitana de Vitória no Estado do Espírito Santo (Sindseg-ES), Sindicato dos Empregados de Empresas de Segurança e Vigilância do Estado do Espirito Santo (SINDVIGILANTES-ES) e Sindicato dos Vigilantes do Rio Grande do Sul (SindiVigilantes do Sul).

Veja o vídeo e algumas fotos:










quinta-feira, 10 de março de 2022

Ameaça à aposentadoria especial dos Vigilantes


O Senador Esperidião Amim encaminhou para votação nesta semana na Comissão de de Assuntos Econômicos – CAE um Substitutivo ao Projeto de Lei Complementar - PLP nº 245/2019 retirando dos Vigilantes que trabalham desarmados o direito já conquista a aposentadoria especial. Se aprovado o texto o Vigilante e o Guarda Municipal somente terá direito a aposentadoria especial com 60 anos de idade e 25 de contribuição, mas provando o uso permanentemente, em todo tempo, da arma de fogo.

Isto retira todas as nossas conquistas neste campo de reconhecimento: o risco para todo trabalho nas atividade se segurança e vigilância, seja armada ou desarmada (lei 12.740/2012 – Lei da Periculosidade) e a decisão do Superior Tribunal de Justiça – STJ que também considerou o risco, seja armado ou desarmado.

O PLP 245 foi fruto da nossa mobilização e negociação no Senado Federal em 2019, que manteve o direito a aposentadoria especial e, no texto original apresentado pelo Senador Eduardo Braga (AM) garantia a aposentadoria para todos, armados ou não. Mas agora, se aprovado o Substitutivo do Senador Esperidião, a maioria dos Vigilantes nunca se aposentarão.

Assim como nos mobilizamos para outras lutas (30% periculosidade, lei anticalote, etc.), o momento é de mobilização para todos os Vigilantes e suas lideranças, principalmente os mais novos.

Para os que já tem tempo de se aposentar, não vale “esperar para ver”.

Precisamos pressionar o Senador Amim e outras lideranças do Senado. Este Substitutivo é mais uma sentença de morte para a nossa categoria. Diga ao Senador Esperidião que o risco da nossa atividade é para o armado e o desarmado. Que não aceitamos a retirada da nossa conquista. Não ao Substitutivo ao PLP 245/2019.

 

Anote os Contatos do Senador:

Senado Federal Anexo 2 Ala Nilo Coelho Pavimento Térreo Sala 2

Telefones: (61) 3303-6446 / 6447 / 6454

E-mail: sen.esperidiaoamin@senado.leg.br

Escritório de apoio: RUA ÁLVARO DE CARVALHO, 267. 10º ANDAR ED. MAPIL. CENTRO, FLORIANÓPOLIS, SC. CEP: 88010-040 –

Telefone:(48) 3222-4100

segunda-feira, 31 de janeiro de 2022

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2022/2023

 

  CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2022/2023

 

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE:             RJ000185/2022

DATA DE REGISTRO NO MTE:                 28/01/2022

NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:                    MR001311/2022

NÚMERO DO PROCESSO:                        13041.100776/2022-16

DATA DO PROTOCOLO:                          27/01/2022

 

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

 

SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEG.PRIVADA, VIGILANCIA PATRIMONIAL, SISTEMAS DE SEGURANCA, ESCOLTA, SEG.PESSOAL E CURSOS DE FORMACAO NO EST.DO RIO DE JANEIRO, CNPJ n. 30.903.678/0001-45, neste ato representado (a) por seu;

 

E

 

SINDICATO E E S V T V S M P T P S T S S J V DO R PRETO, CNPJ n. 32.002.115/0001-01, neste ato representado (a) por seu; ADRIANO LINHARES DA SILVA

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

 

CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE

As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 01º de janeiro de 2022 a 31 de dezembro de 2023 e a data-base da categoria em 01º de janeiro.

 

CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA

A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a (s) categoria (s) Vigilantes e Empregados em Empresas de Segurança e Vigilância, Transporte de Valores e Similares, com abrangência territorial em Areal/RJ, Comendador Levy Gasparian/RJ, Paraíba do Sul/RJ, Petrópolis/RJ, São José do Vale do Rio Preto/RJ, Sapucaia/RJ Teresópolis/RJ e Três Rios/RJ.