quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Patrões elevam proposta, mas Sindicato considera insuficiente e rejeita na mesa de negociações

A segunda rodada de negociações dos vigilantes do Estado Rio de Janeiro com o patronal terminou sem acordo. Os empresários apresentaram uma nova proposta de reajuste salarial repondo apenas a inflação sem ganho real para a categoria. O INPC do período acumulou 11,27% nos últimos doze meses. A proposta também serve para o tíquete alimentação. Novamente a proposição foi rejeitada na mesa pelos dirigentes sindicais representantes dos trabalhadores.

Nada avançou também nas demais reivindicações apresentadas pelos trabalhadores. Uma nova rodada de negociações ficou agendada para o dia 16 de fevereiro. Os sindicatos esperam avançar mais para que a categoria tenha ganho real nos salários, além de outros benefícios sociais.

“Me surpreendeu o interesse do patronal em fecharmos logo as negociações tamanha a pressa dos empresários. No entanto, sem nenhum tipo não temos como avançar. 70% das nossas reivindicações o patronal não concede com a alegação que onerar a folha de pagamento. Vamos continuar lutando para arrancar mais. Não existe crise para o setor de segurança privada. Nos últimos dias, vários balanços das empresas demonstraram os lucros e ganhos em 2015. A luta continua”, afirma Adriano Linhares, presidente do Sindicato.

Participaram da negociação os dirigentes: Adriano Linhares, Nilson e Machado do Sindicato de Petrópolis e região, Cláudio José do SVNIT – Sindicato dos Vigilantes de Niterói, São Gonçalo e região, Rene Batalha – Sindicato dos Vigilantes de São João de Meriti, Sebastião Aquino – Sindicato dos Vigilantes de Nilópolis e Mesquita e Carlos Gil do Sindicato dos Vigilantes de Duque de Caxias.

Na primeira rodada de negociações os empresários haviam oferecido apenas a metade do INPC nos salários não repondo nem a inflação do período.

Fonte: Imprensa SindVig Petrópolis

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Fim do banco de horas na Protege

Você sabia que o Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região conquistou para os funcionários da empresa Protege, transporte de valores, o fim do banco de horas já para este mês de janeiro para o pessoal de tesouraria e caixa forte?

Sim, esta conquista foi obtida na campanha salarial de 2015 e já vigora na Convenção Coletiva de Trabalho. Somente os profissionais que atuam na região de Petrópolis tiveram essa conquista. Nas demais regiões o fim do banco de horas só deve acontecer em julho de 2016.

Foi a luta e a condução séria das negociações pelo Sindicato que anteciparam essa mudança. Trabalhador que trabalhar mais horas deverão receber horas extras e não somar banco de horas. Com o banco de hora só quem ganha é a empresa. 

Fonte: Imprensa SindVig Petrópolis

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Após paralisação, VS Brasil paga salários atrasados de vigilantes do Detran/Petrópolis

Após paralisação dos v
igilantes do posto do Detran, em Petrópolis, nesta quarta-feira (27), a empresa VS Brasil efetuou os pagamentos de salários que estavam em atraso.

Com o auxílio e coordenação do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis, os trabalhadores cruzaram os braços no posto de vistoria do Detran, 5º CIRETRAN e no Departamento de Identificação Civil. O local recebe um grande número de usuários e contribuintes diariamente. 

"Mais uma vez a força da categoria reverte o descumprimento da Convenção Coletiva. Atraso de salário é inadmissível. As contas chegam e os juros são altos. Os vigilantes trabalharam. Estiveram no posto todos os dias. Nada justifica a atitude da empresa. O Sindicato está pronto para ajudar a categoria a reivindicar seus direitos. Esperamos que não sejam necessárias novas paralisações para que as empresas cumpram a lei", alerta Adriano Linhares, presidente do Sindicato.

Diretores da entidade acompanharam a atividade durante todo o dia. A informação do pagamento ocorreu já no meio da tarde.

Imprensa SindVig Petrópolis

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Campanha Salarial: Proposta dos patrões não repõe inflação. Sindicato rejeita na mesa de negociação

Nesta segunda-feira (25) aconteceu a primeira rodada de negociações da Campanha Salarial 2016 dos vigilantes do Estado do Rio de Janeiro. Os Sindicatos de Petrópolis e região, Niterói e região, Duque de Caxias, Mesquita/Nilópolis e São João de Meriti apresentaram uma pauta unificada aos patrões. A reunião aconteceu na sede do Sindesp/RJ (sindicato patronal). Os trabalhadores pedem reajuste salarial de 20%. No entanto, os empresários já deram o tom das negociações desse ano. Ofereceram um aumento de apenas 50% da inflação. O INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor, que serve como base para medir a inflação do período e parâmetro para as negociações, está em 11,27% no acumulado dos últimos 12 meses. A proposta dos patrões seria, portanto, 5,6% de reajuste. A oferta foi recusada na mesa pelos representantes dos trabalhadores.

Diante do impasse, uma nova rodada de negociações foi agendada para o dia 02 de fevereiro. Os dirigentes sindicais apresentaram ainda outras reivindicações:

- Mudar a gratificação de 1% do triênio para anuênio (ou seja, todos os anos receber o 1%);

- Gratificação de 10% para os vigilantes brigadistas;

- Tíquete alimentação de R$ 23,00 (20% de reajuste);

- Gratificação para Vigilantes do Pólo Gás Químico de 14% sobre o salário;

- Redução do desconto do tíquete alimentação para 10% no contracheque do empregado;

- Bônus assiduidade de uma cesta alimentação no valor mínimo de R$ 100;

- Auxílio filho excepcional;

- Fim do desconto de vale transporte no contracheque do empregado;

- Redução da carga horária de 192 para 180 horas;

- R$ 150 para jornada especial em eventos;

- Adicional noturno estendido de 20%;

- As empresas ficam obrigadas a aceitar atestados médicos justificados de ausência de trabalho;
- Multa de 50% para as empresas que atrasarem o pagamento do 13º salário.

Na reunião foi colocada a posição contrária dos sindicatos à implantação do vigilante horista.

O presidente do Sindicato de Petrópolis, Adriano Linhares, avaliou que os empresários querem culpar a crise econômica para justificar o baixo índice oferecido.

“Como todo ano o chororô dos empresários começou já na primeira rodada. Eles alegam que a crise do país, que é uma crise mais política, está afetando os contratos das empresas. Eles afirmam que os governos irão suspender as contratações de vigilantes. Essa é mais uma desculpa para não conceder o índice que pedimos. Ainda não temos notícias de perdas de contrato. Pelo contrário, na região de Petrópolis as contratações estão crescendo. Um exemplo é a Transvip que fechou 2015 com 30% de aumento de lucro no faturamento. Não existe crise para o setor de segurança privada”, afirma Linhares.


Participaram da reunião: Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e Região sendo representado por Adriano Linhares e Nilson Araújo, Sindicato dos Vigilantes de Niterói e Região representado por Cláudio José e Paulo, Sindicato dos Vigilantes de Duque de Caxias representado por Carlos Gil de Souza, Sindicato de Mesquita e Nilópolis representado por Sebastião Aquino, Sindicato dos Vigilantes de São João do Meriti representado por René Batalha, e pelo patronal se fizeram presente varias representações: Hopevig, BSS, Hercules, JF, Invernada, GP, Prosegur, HBS e Transvip.

Imprensa SindVig Petrópolis

CNTV visita novo coordenador da CCASP

O presidente da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), José Boaventura, o secretário geral, Cláudio José, o secretário de Assuntos Parlamentares, Chico Vigilante, e o assessor jurídico Jonas Duarte visitaram, nesta sexta-feira (22), o novo coordenador da Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), Dr. Carlos Rogério Cotta.

Durante a reunião, os representantes da CNTV reafirmaram a confiança que têm na Polícia Federal e destacaram que não abrem mão de que a PF continue cuidando dos assuntos relacionados à segurança privada. Boaventura confirmou ainda o interesse em continuar colaborando com a PF para promover melhorias cada vez mais significativas aos trabalhadores do segmento.


Cotta afirmou que conta com sugestões e contribuições da CNTV para auxiliar nos trabalhos da Comissão e enriquecer o debate sobre os assuntos relacionados à segurança privada.

Fonte: CNTV

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Assalto a carro-forte em mercado no RJ deixa cliente e vigilante mortos após confronto

Duas pessoas morreram e cinco ficaram feridas durante uma tentativa de assalto no Supermercado Extra do bairro Jardim Campomar, em Rio das Ostras, na Região dos Lagos do Rio, por volta das 14h desta terça-feira (19). Entre os feridos estão três vigilantes, uma caixa do supermercado e dois suspeitos do assalto. 

De acordo com a Polícia Militar, a troca de tiros entre seguranças de um carro-forte e os assaltantes ocorreu no momento em que os agentes abasteciam os caixas eletrônicos que ficam no estabelecimento. Ainda segundo a PM, dois já foram presos e um terceiro é procurado. 

De acordo com o tenente-coronel Marcos Vollmer, comandante do 32º BPM, houve reação imediata dos três vigilantes ao assalto, com troca de tiros e, em seguida, militares que faziam a ronda chegaram ao local. Em nota ao G1, a assessoria da Polícia Militar informou que não houve troca de tiros entre policiais militares e os suspeitos de participação na tentativa de assalto. 

“Eles deixaram os caras do carro-forte entrar. Os bandidos já estavam no mercado, tentaram render os seguranças. Puxaram a bolsa do segurança. O segurança sacou a arma, mas o bandido atirou primeiro. Todo mundo se jogou no chão na hora e começou o tiroteio”, relatou um cliente que estava no estabelecimento no momento do assalto. 

Além da vítima fatal, Aliana Barbosa da Conceição, os tiros disparados no confronto atingiram os três vigilantes da empresa de segurança. Segundo a PM, um deles foi ferido de raspão na cabeça e os outros dois foram feridos nas pernas, mas todos passam bem. Eles foram encaminhados para o Pronto-Socorro da cidade. 

O Serviço de Inteligência da Polícia Militar faz diligências para encontrar o terceiro assaltante. Ele estaria em um veículo branco que foi usado na fuga. Na prisão do primeiro assaltante, uma arma foi apreendida. De acordo com a PM, um dos homens presos foi baleado no braço e o segundo, encontrado por volta das 15h, havia sido atingido por três tiros. 

O G1 entrou em contato com a assessoria do Grupo Pão de Açúcar (GPA), que representa o Extra. Em nota, a empresa informou que manifesta a sua solidariedade aos familiares da vítima atingida durante o assalto e que acionou imediatamente o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para atendimento dos feridos, bem como as autoridades competentes. 

“A empresa lamenta o ocorrido e reforça que está prestando todo o suporte necessário aos feridos e seus familiares”, disse a nota. 

A Brinks, empresa responsável pelos carros-forte, enviou uma nota sobre o caso, informando que está empenhada em apurar o ocorrido e colabora com as autoridades no andamento das investigações. 

“A empresa lamenta profundamente pelas vítimas, e externa seus sinceros respeitos às famílias. Os outros colaboradores que acompanhavam o veículo já recebem toda a assistência necessária”, disse a nota. O caso foi registrado na 128º DP de Rio das Ostras. 

Fonte: G1

Fala CNTV 

O secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), integrante do Grupo de Trabalho (GT) de Transporte de Valores da Polícia Federal e presidente do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis, Adriano Linhares, lembrou que a CNTV vem sempre batendo na mesma tecla sobre a localização dos ATMs em locais inseguros. 

“Já sugerimos no GT que o abastecimento seja feito pela parte traseira do ATM, com mais segurança e isolado do público. Os patrões se recusaram”, disse Linhares. 

“Nos solidarizamos com os companheiros feridos e esperamos que a PF faça o mesmo, mudando o que for necessário para que nossos companheiros não se tornem presas fáceis para os meliantes”, finalizou. 

A CNTV lamenta profundamente que mais um companheiro tenha perdido a vida por conta da insegurança, que pode ser evitada. 

Fonte: CNTV

Vigilantes de Petrópolis e região definem propostas para a campanha salarial 2016

O Sindicato realizou assembleias nos três principais municípios (Petrópolis, Teresópolis e Três Rios) que integram a base da entidade para construir com a categoria a pauta de reivindicações na campanha salarial 2016.

A pauta será entregue aos empresários nos próximos dias. No Rio de Janeiro, quatro sindicatos vão unificar as reivindicações a serem apresentadas. A pauta única contempla os anseios dos vigilantes que passam por melhores salários, condições de trabalho e cláusulas sociais.

Os sindicatos que atuarão em conjunto são: Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região, SVNIT - Niterói e regiões, Duque de Caxias e Mesquita.

Fonte: Imprensa SindVig Petrópolis

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

UM RECADO AOS VIGILANTES DE TODO PAÍS

No vídeo de hoje, a CNTV quer dialogar com os colegas vigilantes sobre a reunião de sua diretoria executiva em Brasília ocorrida nesta quinta-feira (14), na sede Confederação Nacional dos Trabalhadores Vigilantes, na qual o presidente do Sindicato, Adriano Linhares, ocupa a diretoria de Relações Internacionais na entidade.

Na reunião, que contou com representações de todo País, foram traçadas estratégias e deliberadas algumas frentes de luta para este ano de 2016.

Assista ao vídeo e fique sabendo que estamos na luta por você. 

Se você ainda não está filiado ao seu sindicato, faça isso hoje mesmo. 

2016 será um ano de muitas batalhas para nós. 


Vamos juntos!

video

Polícia Federal suspende funcionamento da TransExpert

Em portaria de 08 de janeiro de 2016, a Polícia Federal resolveu suspender cautelarmente a autorização de funcionamento da empresa TransExpert Vigilância e Transporte de Valores. A empresa está envolvida em uma série de irregularidades e descumprimento à legislação da segurança privada e à CLT.

Na região, a TransExpert deu um verdadeiro calote nos trabalhadores que não receberam indenizações e demais verbas. Cerca de 35 trabalhadores estão prejudicados e aguardam o recebimento de seus direitos.

Em março de 2015, durante a reunião da CCASP ficou comprovado que a Transexpert, empresa de transporte de valores, utilizava o serviço de Policiais Militares (PM) para realizar o transporte de valores em carros comuns e sem qualquer proteção. Nessa situação, dois PMs foram assassinados durante um assalto quando transportavam R$ 2 milhões. 

A titular da Coordenação-Geral de Controle de Segurança Privada, delegada Silvana Helena Vieira Borges, a mesma que assina a portaria que suspende as atividades da empresa, avaliou como "imoral" a ação da empresa. "Para tudo tem limite", sentenciou. 

Uma pergunta que fica no ar agora é: Quem paga a conta dos Vigilantes? Quem vai arcar com as indenizações? A suspensão da empresa vai se tornar um discurso fácil na bocas de seus dirigentes como desculpa para pagar os trabalhadores.

Fonte: Imprensa SindVig Petrópolis

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Sindicato convoca para assembleias de construção de pauta para Campanha Salarial 2016

O Sindicato dos  Vigilantes de Petrópolis e região convoca toda categoria para assembleias gerais extraordinárias com objetivos de construir a pauta de reivindicações para a Campanha Salarial 2016. Os encontros serão realizados em todas as sedes do Sindicato.

Confira local e hora abaixo:

- Hora: 19:00hs (primeira convocação) - 19:30hs (segunda e última convocação)

- Petrópolis - 18/01 - Sede do Sindicato (Rua Paulo Barbosa, 233 - sala 2 - Centro/Petrópolis)

- Três Rios - 19/01 - Delegacia Sindical (Praça da Autonomia, 40 - sala 501 - Três Rios/RJ)

- Teresópolis - 19/01 - Sede do Sindicato dos Porteiros (Av. Lúcio Meira, 330 - sala 704 - Centro/Teresópolis/RJ)

A participação dos trabalhadores é fundamental para construir uma pauta sólida que supra as necessidades da categoria. Essa é a oportunidade que o Sindicato proporciona para que todas as ideias sejam expressadas e compiladas no documento que será entregue aos empresários. 

Uma campanha salarial forte só acontece com a participação dos trabalhadores.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Sindicato denuncia mais duas empresas ao MPT por atraso nos salários e descumprimento da legislação federal

Mais uma empresa é denunciada pelo Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região pelo descumprimento da CLT e da Convenção Coletiva de Trabalho com o não pagamento do salário do mês de novembro e também o 13º salário. A empresa Rota Vigilância já havia sido alvo do Sindicato pelos constantes atrasos. Agora, a empresa Afeque Vigilância, que presta serviços à Universidade Federa Rural em Três Rios, está há três meses sem pagar salários e vale alimentação, além do 13º aos vigilantes.

Já a empresa Protege também foi denunciada por descumprir a Lei 7.102/83 e a Portaria 3.233/12 da DPF, art. 31º, que regulam os procedimentos de segurança a serem adotados pelas empresas de transporte de valores.


A infração praticada pela Protege expõe os vigilantes ao perigo, já que descumpre a legislação obrigando os trabalhadores a fazerem um intervalo intrajornada com paradas em locais inseguros.

Os vigilantes que se encontrarem em situação parecidas adversas às condições normais de trabalho, salários atrasados ou outros benefícios não pagos devem procurar o Sindicato e fazer sua denúncia. A direção da entidade mantém o sigilo nas informações e na identificação dos trabalhadores. Os canais disponíveis para denúncias são: canal/link Fale Conosco no site do Sindicato (www.tribunadosvigilantes.org) ou através do telefone: (24) 2237-4789.

Imprensa SindVig Petrópolis e região

INFORME: Novo horário de almoço do Sindicato

O Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região informa o novo horário de almoço: de 12:30hs às 14:00hs. A mudança está valendo desde a última segunda-feira, 04 de janeiro. 

Fique atento ao novo horário. O atendimento segue normal de 08:30hs às 12:30hs e 14:00hs às 18:00hs de segunda à sexta-feira na sede do Sindicato que fica a Rua Paulo Barbosa, 233 - sala 02 - Centro de Petrópolis/RJ.

Fonte: Imprensa SindVig Petrópolis e Região

CNTV e Contraf-Cut protocolam pedido de rejeição ao PLS 127/2012 na Comissão de Assuntos Sociais

A Contraf-CUT e a Confederação Nacional de Vigilantes e Prestadores de Serviços (CNTV) protocolaram no gabinete do senador Walter Pinheiro um pedido de rejeição ao PLS 127/2012 na Comissão de Assuntos Sociais. Os representantes dos trabalhadores apontam ao relator do projeto, que tal proposição, por ser inconstitucional, é injusta e prejudicial a todos os trabalhadores e trabalhadoras representados pelas entidades.

O PLS 127/2012 visa modificar a Lei n 7.783, de 28 de junho de 1989, para incluir quaisquer serviços bancários como essenciais, o que os impediria de realizar greve. Pela atual redação do inciso XI do art. 10 da Lei de Greve, somente a compensação bancária é considerada atividade essencial e não pode fazer greve.

“Estamos assistindo e acompanhando apreensivos estas tentativas do Congresso em retirar direitos históricos dos trabalhadores. Há muito tempo não se via isso. Criminalizar a luta de um setor que protegeu bem os direitos e salários dos trabalhadores é um ato antissindical muito grave. A sociedade não pode ficar alheia a isso”, apontou o presidente da Contraf-CUT, Roberto von der Osten.

O documento afirma que as entidades consideram que a Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal corretamente manifestou-se pela rejeição da proposição. “Postulamos a V. Exa., com trajetória admirável em defesa dos direitos humanos e da classe trabalhadora, tanto como dirigente sindical como posteriormente na condição de parlamentar, que apresente parecer junto à Comissão de Assuntos Sociais no mesmo sentido da CDH, que sintetizou adequadamente o conteúdo da condenável proposição”, diz um trecho do pedido.


Fonte: Contraf-CUT

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Sindicato denuncia empresa ao MPT por pagamento de salários

O Sindicato apresentou denúncia ao Ministério Público do Trabalho contra a empresa Rota Vigilância e o contratante Palácio Rio Negro para cobrar o pagamento dos salários e o 13º dos vigilantes. 


sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Nova reunião do GT Monitoramento define próximos passos do debate


Reunidos na manhã desta quinta-feira (10), na sede da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), em Brasília, os integrantes do Grupo de Trabalho (GT) de monitoramento eletrônico definiu aquilo que deve ser elaborado e apresentado no próximo encontro. O objetivo é estabelecer o perfil do trabalhador da área e, a partir daí, debater orientações e limites para a atuação profissional. 

Presidida pelo secretário Geral da CNTV, Cláudio José, a reunião contou ainda com a participação do presidente do Sindmonitoramento de Curitiba e Região, Ademir Pinckeski, únicos representantes laborais presentes. Também estiveram presentes representantes da Abrevis, Febraban e Fenavist. Para contribuir com o debate, o Sindmonitoramento e os sindicatos de vigilantes de Brasília e Petrópolis encaminharam o levantamento de alguns problemas encontrados em suas bases de representação. 

Para o próximo encontro, as entidades que participaram da reunião se comprometeram a apresentar mais dados, incluindo o perfil do trabalhador em monitoramento e a definição objetiva da atividade. 

Para Cláudio, a reunião foi positiva. “Tiramos alguns pontos importantes para buscar enquadrar, dentro da segurança privada, a questão do monitoramento eletrônico. Mais uma vez, a CNTV sai na frente no sentido de defender e buscar mecanismos que venham garantir a segurança dos trabalhadores”, afirmou. 

Fonte: CNTV