quinta-feira, 31 de julho de 2014

Tiroteio deixa três mortos e um ferido na Serra

Três homens morreram e um está gravemente ferido após troca de tiros com a PM de Duque de Caxias, hoje, na Serra de Petrópolis. Eles estavam em um veículo Ford Fiesta, com placa de Petrópolis, e foram perseguidos após furarem um bloqueio policial na rodovia Washington Luís. Eles teriam efetuado assalto a um posto de gasolina na Baixada Fluminense.

Fonte: Diário de Petrópolis

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Sindicato garante direitos trabalhistas de vigilante da Confederal demitido

O Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis conseguiu mais uma vitória para um vigilante através do seu departamento jurídico. Um vigilante prestador de serviços no posto de Justiça Federal de Petrópolis havia sido demitido pela empresa Confederal Rio Vigilância, que alegou justa causa na sua demissão. No entanto, o juiz da 1ª Vara do Trabalho de Petrópolis entendeu que não houve o preenchimento dos requisitos para configurar a justa causa e determinou o pagamento de todas as verbas e indenizações ao vigilante.

O juiz determinou ainda o recolhimentos de INSS e FGTS para o vigilante que possuía mais de quatro anos de serviços prestados à empresa.

A Confederal ainda foi condenada em custas processuais e a pagar as horas de intervalo intrajornada provadas no processo pelo vigilante.

O trabalho sério com a categoria vem rendendo frutos nos últimos anos. Os vigilantes de Petrópolis encontram no Sindicato um parceiro para garantir seus direitos e o emprego dos trabalhadores. Essa foi mais uma vitória do departamento jurídico e dos trabalhadores.

Imprensa Sindical RJ - wmcnoticias@gmail.com

Sindicato denuncia falta de condições de trabalho em posto da empresa Angel's


O presidente do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis vai acionar a empresa Angel’s para denunciar a falta de condições de trabalho dos vigilantes no posto de Guapimirim. O local não possui banheiro e nem iluminação pública, tornando o ambiente impraticável para o trabalho.

O Sindicato vai cobrar uma postura urgente da empresa e garantir que não haverá represália da Angel’s aos trabalhadores.


“Realmente o local não possui nenhuma condição para a prática laboral. É um absurdo que em pleno século XXI ainda temos empresas que tratam os trabalhadores assim. Os vigilantes estão trabalhando numa condição sub-humana e não podemos tolerar isso. A lei é clara quanto ao ambiente salubre para o trabalho. E esse não é o caso desse posto em Guapimirim. Vamos acionar a empresa e dar um prazo para adequações no local”, afirma Adriano Linhares, presidente do Sindicato.

Imprensa Sindical RJ - wmcnoticias@gmail.com

Empresa GP demite e não explica justa causa em vigilantes da Granja Comary, em Teresópolis

Mais uma troca de empresas num determinado posto provoca prejuízos aos trabalhadores. Desta vez o problema envolve a empresa GP Guarda Patrimonial São Paulo que perdeu seu posto na Granja Comary (CBF) em Teresópolis para a concorrente Gocil. A troca aconteceu há três meses. Até aí, tudo bem, são coisas de mercado, não bastasse o que aconteceu com o futuro de cinco vigilantes que prestavam serviços à empresa.

Após a perda do contrato, cinco vigilantes que não quiseram pedir demissão da GP foram orientados pela empresa para se encaminharem até a cidade do Rio de Janeiro onde lá seriam recolocados em outros postos de serviço. No entanto, ao chegarem à empresa para assumir seus postos, os cinco vigilantes foram surpreendidos com as demissões por justa causa. Porém, nenhuma justificativa plausível foi apresentada pela GP.

Um dos cinco vigilantes dispensados é diretor do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis. A vontade dos vigilantes era de permanecer na empresa mesmo que para isso tivesses que deslocar para trabalhar em postos da empresa localizados na região do grande Rio. No início houve a concordância da empresa, mas em seguida, a GP afirmou que não ia pagar o transporte dos trabalhadores e insistiram na demissão por justa causa.


O Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis e região acionou o departamento jurídico da entidade para estudar caso a caso dos trabalhadores e pleitear na justiça a descaracterização da justa causa, já que não nenhuma justificativa para a punição. Além disso, o Sindicato quer ainda a reintegração dos trabalhadores, sem descartar, caso algum vigilante se interesse, orientar nos acordos para que os trabalhadores recebam todos os direitos consagrados na CLT. 

Imprensa Sindical RJ - wmcnoticias@gmail.com

domingo, 27 de julho de 2014

Sindicatos vão à Superintendência da Caixa no Rio de Janeiro por conta do novo sistema de abertura de agências

Presidentes do Sindicato dos Vigilantes de Niterói (Cláudio Vigilante) e região, Petrópolis e região (Adriano Linhares) e Duque de Caxias (Carlos Gil) se reuniram com superintendente da GISEG da Caixa Econômica Federal no Rio de Janeiro, responsável pela segurança nas agências, Guilherme Nóbrega, para discutir o novo sistema de abertura dos bancos. O encontro, que aconteceu no prédio administrativo do banco no centro do Rio, teve a participação também do presidente da Confederação Nacional dos Vigilantes, José Boaventura, e do bancário e representante da CUT, Marcelo Rodrigues.

A implantação do novo sistema causou preocupação nos vigilantes o que motivou a reunião. Alguns pontos foram esclarecidos e novas medidas deverão ser tomadas. Detalhes do novo sistema não serão relatados aqui por questões de segurança. No entanto, uma nova linha de raciocínio será implementada pelos sindicatos que fiscalizarão as agências da Caixa em toda região.

O superintendente da CEF garantiu que o sistema é o que há de mais avançado no mercado e esclareceu ainda algumas dúvidas dos vigilantes. Toda abertura de agência é monitorada por um sistema de monitoramento que libera o acesso apenas após o cumprimento de uma série de passos e avaliação do local.

Ainda como proposta de discussão de um novo modelo de gestão de segurança, os vigilantes vão levar o debate a nível nacional para ser construída, juntamente, com os bancários uma forma mais eficaz que evite qualquer tipo de ação da bandidagem e coloque em risco a vida dos funcionários.

Os presidentes aproveitaram ainda para discutir o número de vigilantes por agências. Novas ações de fiscalização deverão acontecer para relatar à GISEG possíveis irregularidades.

O Rio de Janeiro saiu na frente de novo nas discussões levantadas pela categoria. Todas as novas medidas visam proteger os trabalhadores que atuam em todo Estado. A iniciativa dos Sindicatos de Niterói, Petrópolis e Duque de Caxias reafirma o compromisso com a categoria.

Imprensa Sindical RJ - WMC Assessoria